segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Confusas necessidades

Em alguns dias parece que perco o controle das minhas necessidades...
ao mesmo tempo que quero muito uma coisa, me pergunto se preciso mesmo disso,
ao mesmo tempo que tenho todos os motivos pra estar feliz e agradecida a Deus faço alguns questionamentos de coisas que (acho eu) fazem falta na minha vida;
quero dar a cara a tapa e sair pelo mundo mas também quero viver pertinho da família - não quero estar longe caso eles precisem de mim;
imaginando que o melhor a fazer nesses momentos, ou ao menos o que me dá maior resultado, é ficar sozinha, quieta no meu canto, mas tamanha é a ambiguidade das minhas necessidades e percebo que é exatamente o oposto. Fico lá recolhida numa profunda introspecção mas esperando que alguém no universo perceba (por pura intuição, claro!) que eu estou precisando de um pouquinho de atenção, ou melhor, de compreensão mesmo que sem concordância,
sinto vontade de chorar mas me pego rindo de mim por não conseguir identificar que sentimentos são esses...
Se tem remédio? Diversos!
Um abraço apertado, receber notícias de pessoas queridas, ouvir uma boa música, assistir a uma cena de gentileza, comer chocolate incansavelmente (sem se preocupar com a balança ou espinhas), sair às compras com um cartão de crédito sem limite, observar paisagens na estrada (para mim essa é uma das melhores terapias), se sentir compreendido pelo outro, dançar aquela música que você mal entende a letra mas gosta da batida e se sente bem, leve, solto.
É tudo tão confuso que demorei duas semanas pra concluir esse pequeno texto, porque o maior remédio de todos (para a maioria dos problemas) é o TEMPO: preciso, implacável, acertado.
Só através do tempo conseguimos entender, perceber, analisar as coisas como elas realmente são. Entender o porquê de tanta coisa acontecer mas principalmente entender nossas reações frente à cada situação.
 
Ah...o tempo!
 
Só hoje, passado alguns dias, consigo entender o que realmente me deixava confusa na última semana.
Há quem pensasse que eu estava entrando em um ciclo depressivo ou numa crise de estresse... mas não...era simplesmente a variação hormonal causada pela TPM, que oscila tanto de um dia para o outro e faz com que os homens digam que as mulheres são seres difícies de entender, só porque apresentamos uma pequena (#sóquenão) oscilação de humor!
Tão simples, né? Nada como o tempo, para desfazer essa ambiguidade de desejos, para curar os sentimentos negativos, para por tudo no lugar e trazer paz.
 
Ah...o tempo!
é ele quem leva e ele mesmo quem trará no próximo mês todas as ambíguas necessidades de volta...
e aí, é esperar o tempo passar de novo, e de novo, e de novo...
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário